domingo, 1 de fevereiro de 2009

Birra de Sono



Nome: Carla Moura
Cidade: Miramar
Blog: birrinha.blogspot.com
Loja online: através do blog ou do Flickr
Flickr: www.flickr.com/photos/42148707@N00




Como descreverias o teu trabalho?

O meu trabalho caracteriza-se essencialmente pelas cores e pelo material principal que utilizo: o feltro. Normalmente, coordeno o feltro com outros materiais, tais como tecidos, botões, fitas, rendas, missangas e, mais recentemente, com pratas. Em muitas situações o feltro que utilizo é fabricado por mim de forma artesanal através de duas técnicas: água e sabão ou agulha e esponja. Sou uma apaixonada pelo feltro artesanal!

Relativamente às cores, normalmente utilizo as que considero infantis e não vou atrás das modas. Quando era criança, da minha caixa de lápis da VIARCO, gastava os turquesas, os rosas, os laranjas e os verde alface. As outras cores normalmente ficavam intactas… ou pouco usadas. Agora acontece-me exactamente o mesmo mas com as cores do feltro e das missangas, à excepção do castanho que adoro conjugar com as cores que já referi.



Como é que tudo começou?

Tudo começou ainda nos tempos de universidade quando idealizava acessórios que não encontrava à venda. Primeiro, e durante muito tempo, fazia-os para mim. Depois para as amigas. Depois para as amigas das amigas. Mais tarde para a minha filha, porque é muito difícil encontrar acessórios para crianças, com formatos e cores adequados para elas.

Como escolheste o nome do teu projecto?

O nome deste projecto em específico, corresponde a uma fase «pós parto» que durou 3 anos e meio da minha vida. Durante esse tempo a minha filha não dormiu. Era no intervalo de algumas birras de sono que eu aproveitava para relaxar um bocadinho e concretizar algumas ideias.



Porquê fazer crafts? O que é que te motiva?

O que me motiva é fazer aquilo que imagino. É transpor para a realidade, em materiais e cores o que idealizo e o que sinto. E faz-me bem sentir quando através daquilo que faço, vou de encontro às pessoas em quem as peças criam emoções.

Os crafts são um trabalho a tempo inteiro? O que ocupa os teus dias?

Os crafts não são um trabalho a tempo inteiro, são fruto dos tempos «não ocupados». Profissionalmente sou engenheira de sistemas e informática. Para além da minha profissão - e como tenho uma família, uma casa e muitos amigos - procuro ocupar com os crafts espacinhos no tempo que não estão ocupados. Por isso, é muito normal acordar às 5h ou 6h da manhã para aproveitar e concretizar algumas destas ideias. É realmente o meu momento zen.



De onde vem a inspiração para os teus trabalhos?

Principalmente vem da forma como vejo as coisas. Vejo sempre tudo muito cor-de-rosa, muito azul turquesa, muito verde alface e muito laranja. Às vezes julgo que não é só a minha altura que corresponde ao tamanho de uma criança, mas também a forma positiva como tento encarar tudo na vida. Às vezes julgo que não cresço e que o tempo não passa por aqui. Talvez por isso a inspiração venha sempre às cores.

A minha filha também é uma fonte inesgotável de inspiração, pelo que diz, pelo que sente e pela energia positiva e inesgotável que transmite. Exige sempre actividades diferentes e criativas e por esse motivo às vezes fazemos, entre outras coisas, desenhos e rimas relacionados com os trabalhos que já fiz ou que inspiram os que vou fazer.



Onde é que encontras os materiais para os teus projectos?

No início utilizava materiais que encontrava em casa da mãe e da avó. Depois comecei a procurar nas retrosarias. E aproveito sempre que viajo para encontrar materiais diferentes e esquecidos algures em retrosarias muito antigas. Alguns são também oferecidos e, apesar de trabalhar no dia a dia com o computador e com a internet, raramente compro materiais on-line. Prefiro tocar-lhes e sentir as texturas, ver as cores ao vivo e imaginar o que dali pode sair.

De todo o processo de produção das tuas peças qual é a parte que mais te agrada?

Gosto muito da fase em que namoro as cores e toco nos materiais para sentir as texturas, decorar os padrões e perceber quais as melhores combinações de cores… demoro até começar. Às vezes, quando me vou deitar vou com as cores e com todas as características dos materiais na cabeça… julgo até que sonho e acordo com algumas ideias novas.

Depois há uma fase que para mim também é muito aliciante, como que um desafio, e que desde sempre foi um ponto de honra que faço questão de manter: os acabamentos. Para mim uma peça tem que ser igualmente perfeita na frente e atrás, pelo direito e pelo avesso.



Como é que divulgas o teu trabalho?

Principalmente através da internet, mas também através de algumas lojas de rua. Recentemente estou envolvida com outras vidas crafty num projecto de uma Loja Atelier de rua, a Rosa Malva.

A internet tem um papel importante na divulgação do teu projecto?

Foi através da internet que este projecto evoluiu a este ritmo. No meu caso a internet funcionou e continua a funcionar como uma montra para o mundo. O que dá muita visibilidade à Birra de Sono.

A Birra de Sono é uma montra mista de «tiradas» da Rita e de trabalhos meus. E é engraçado ver que as visitas e os comentários se dividem entre a Rita e os meus trabalhos.



O que achas da actual moda do artesanato urbano?

Considero que é uma moda muito interessante. Não só pela criatividade, mas também pela tentativa de mudança de mentalidades. Quando falo em mudança de mentalidades, refiro-me ao facto de que muitas das pessoas que actualmente fazem este tipo de artesanato, são pessoas que na sua maioria têm os seus empregos e procuram ocupações para aliviar o stress do dia-a-dia e não existe a pressão de «fazer para vender e tentar sobreviver». E, nesses casos, os trabalhos são genuínos, valiosos porque resultam de sentimentos. É evidente que se junta o útil ao agradável.

Na verdade, este conceito veio trazer uma «lufada de ar fresco» ao artesanato que existia apenas na versão tradicional. É uma reengenharia dos costumes, técnicas e materiais adaptada ao quotidiano. Tal como todas as modas há-de passar. Acredito que muitos evoluirão para outras modas.



Que conselho darias a quem ainda anda à procura do seu próprio estilo nos trabalhos manuais?

Daria um conselho que utilizo para mim. Quando começo a fazer uma peça, faço-a sempre como se fosse para mim. Experimento conjugações de materiais e de cores sem receios. No final, se eu gostar do resultado e sentir que vou ter pena de colocar à venda essa peça porque gosto dela como se fosse para mim, então significa que posso comercializar a peça. Caso contrário não a vendo, porque no mínimo há algum detalhe que não se identifica comigo. Esta é a melhor forma que encontrei na busca do meu próprio estilo neste tipo de trabalho.

Podes partilhar alguns dos teus crafters favoritos?

São muitos e variam com o tempo e com as circunstâncias, por esse motivo não quero identificar ninguém em especial, porque sei que identificaria pessoas diferentes em dias distintos.

Quais são os teus sonhos para o futuro?

Os meus sonhos estão nas nuvens. Há que fazer acontecer! Genericamente, sonho em ter a possibilidade de fazer sempre aquilo que gosto.

6 comentários:

papoila menina disse...

Adorei ler um bocadinho mais da nossa Carlinha*** beijos às duas :)

Arte da Luluzinha disse...

Os trabalhos Birra de Sono são sempre lindos e repletos de cor e alegria.
Beijinhos a Carla e sucesso sempre!
Adorei a entrevista.

Gotinha disse...

A Carla merece ter todo o sucesso do mundo!!
Ela e o seu talento merecem.

anabela disse...

Gostei muito de ler! Parabéns!

life in yonder disse...

I love the red neckless with the red felt flower! Beautiful. Precioso.

MARTA disse...

gostaria de adquirir uma mala em feltro tipo a quie está exposta neste blogue. Contudo, não sei preços e gostaria de encomendar via online. guerreiromarta@hotmail.com