domingo, 7 de novembro de 2010

bu&bau


Nome: Ana Teixeira
Cidade: Lisboa
Blog: buebau.blogspot.com
Flickr:
www.flickr.com/photos/fio_d_art



Como descreverias o teu trabalho?


Hum... não consigo descrever. Deixo esta resposta para quem conhece o meu trabalho. Estou a começar bem... :D



Como é que tudo começou?

Apesar de sempre ter gostado das artes manuais, nunca as desenvolvi muito. Nunca tive formação nas áreas artísticas (tirando as disciplinas normais na escola) e acabei por deixar este gosto por isso mesmo, um gosto, mas muito pouco (ou nada) praticado.

Só há meia dúzia de anos é que, por mero acaso, descobri que a prática pode ser muito divertida e, ao mesmo tempo, relaxante. Tudo começou num dia em que uma amiga e colega de trabalho partiu um colar e precisou de ir a uma loja comprar, já nem me lembro se era um fecho ou outra peça... combinámos então ir a Campo de Ourique, a uma loja que lhe tinham indicado, para procurar a peça. Assim que entrámos na loja, fiquei fascinada pela quantidade de contas, pedras e outros materiais disponíveis. Claro que não resisti e comprei alguns para experimentar. A partir daí fiquei cliente assídua e comecei a brincar com bijutaria. Muita pesquisa na internet e em livros ajudaram-me a desenvolver técnicas e a descobrir novos materiais.

Com a bijutaria descobri o feltro, que comecei a incorporar em algumas peças. Do feltro aos tecidos foi um pulinho :o) Esta sim, foi a descoberta que fez o clique! Os tecidos são uma paixão, para não dizer um vício.

No entanto havia um «pequeno» problema: não sabia costurar. Tirando alguns vestidinhos que fiz para as bonecas, enquanto a minha mãe e a minha tia costuravam para a família e para fora, nunca mais tinha pegado numa agulha... quanto mais numa máquina de costura...

E até tinha uma Singer velhinha, que era da minha mãe, mas tive dificuldade em trabalhar com ela. Decidi então comprar uma máquina para mim e a partir daí, não parei mais. Mais uma vez, a internet foi a minha «escola». Existem vídeos e tutoriais fantásticos que ensinam as questões básicas. Depois disso já fiz um workshop de costura.



Como escolheste o nome do teu projecto?

O nome começou por ser outro: Fio d'Art. Fio porque mexia com fios para fazer os colares e Art pela graça das iniciais do meu nome (Ana Rita Teixeira) coincidirem com o início das palavras Arte e Artesanato. Foi uma brincadeira.

Na altura em que comecei a virar-me para os tecidos e para a costura, verifiquei que existia outra pessoa que utilizava um nome muito parecido, que era marca registada e este momento marcou a passagem para o nome actual: bu&bau.

bu&bau é a combinação dos diminutivos da minha mãe (Bu) e da minha tia (Bau), com quem dei os primeiros pontos há cerca de 30 anos. Além de estar associado à costura (por a minha mãe e a minha tia terem sido costureiras), é um nome que tem um significado muito querido para mim e ainda marcou uma viragem neste meu percurso.



Porquê fazer crafts? O que é que te motiva?

Porque me relaxam (quando não são feitos sob pressão, razão pela qual deixei de aceitar encomendas), porque me dão um prazer enorme, porque adoro ver as reacções das outras pessoas face ao meu trabalho.

Além disso, tenho o privilégio de ter criado, em casa, um espaço próprio para desenvolver os meus trabalhos. É uma divisão que é um work in progress constante, está sempre a sofrer remodelações (nem que seja apenas para alterar a distribuição do mobiliário) e onde me encontro rodeada de trabalhos inspiradores de criadores fantásticos.

Parecendo que não, ter um «atelier» e ter os materiais e as ferramentas sempre à mão ajudam a que tudo flua mais naturalmente e sem dificuldades.



Os crafts são um trabalho a tempo inteiro? O que ocupa os teus dias?

Não, de maneira nenhuma. Trabalho numa área completamente diferente :) E acho que não conseguiria fazer desta actividade um trabalho a tempo inteiro. Falta-me a disciplina e a ordem para assumir esta actividade. Até porque há dias em que, pura e simplesmente, não me apetece tocar numa agulha e isso não se coaduna com uma actividade a tempo inteiro. Um dos factores que me motiva é precisamente não sentir a costura como uma obrigação. Se fosse, perdia a piada...

De onde vem a inspiração para os teus trabalhos?

Acho que a principal inspiração vem dos próprios tecidos. Quando vejo e compro um tecido imagino logo que ficaria perfeito numa carteira, combinado com aquele outro padrão, ou seria ideal para um boneco «Thanks» (uma das peças que mais gosto de fazer).



Onde é que encontras os materiais para os teus projectos?

Essencialmente na internet.  Para comprar tecidos e outros materiais acho o etsy perfeito. Sem sair da cadeira, consigo ter uma série de lojas com tecidos lindíssimos, permite-me facilmente comparar os preços, os custos dos portes e escolher a que mais me convém.

Em Lisboa existem algumas lojas e retrosarias deliciosas, com os tecidos tradicionais e outros materiais muito interessantes. Começam também a aparecer várias lojas com tecidos importados, de designers conhecidos.

Outra fonte muito interessante de materiais são as trocas, que faço com pessoas de todo o mundo, que me enviam materiais fantásticos que de outra forma não chegariam às minhas mãos. Há pessoas fantásticas neste meio, sempre disponíveis a ajudar e a enviar materiais especiais.



De todo o processo de produção das tuas peças qual é a parte que mais te agrada?

Ver o resultado final, sem dúvida. Acho muito gratificante, ver as horas de trabalho (nem sempre fáceis) transformadas numa peça que me agrada a mim e que agrada aos outros. É fantástico, e muitas vezes uma surpresa, o feedback das outras pessoas.

Outra parte que adoro é experimentar novas técnicas, novos materiais. Muitos dos quais acabo por abandonar, mas a experiência dá-me um prazer enorme :)



Como é que divulgas o teu trabalho?

Acho que cerca de 90% da divulgação é feita pela internet e os restantes 10%, através de clientes e amigos satisfeitos com os produtos bu&bau que têm :)

Utilizo maioritariamente o flickr como forma de mostrar os meus trabalhos e também um pouquinho de mim. Mas a maior parte das solicitações, curiosamente, surge através do blog, actualizado mais raramente. O facebook é o meio mais recente que utilizo, também com óptimos resultados. De facto a internet é fantástica.

A internet tem um papel importante na divulgação do teu projecto?

Sem dúvida! É essencial. Mas mais do que a divulgação, a internet tem-me permitido conhecer pessoas fantásticas.



O que achas da actual moda do artesanato urbano?

Acho que tem um lado muito positivo. Antes de mais, o crescente número de pessoas a fazer artesanato (urbano ou não, tenho dúvidas sobre o conceito) fez com que surgissem muitas lojas de materiais novos e inovadores que dificilmente encontrávamos por cá há uns anos atrás.

Por outro lado, acho que muitas pessoas que aderiram a esta moda, por um motivo ou por outro, acabam por encontrar no artesanato um escape ao dia a dia atarefado e cheio de afazeres rotineiros em que vivemos actualmente. Se podermos aliar este prazer a uma entrada de rendimento, por pequena que seja, melhor ainda. Já para não falar no facto de fazer com as pessoas valorizem cada vez mais o que é feito à mão, através da mobilização de técnicas tradicionais, técnicas modernas ou a conjugação das duas.

Claro que, como em tudo, há questões menos positivas, mas eu dou muito mais importância ao lado bom da vida e tento passar ao lado do que de menos positivo aparece por aí.



Que conselho darias a quem ainda anda à procura do seu próprio estilo nos trabalhos manuais?

Acho que o mais importante é fazer aquilo que dá prazer. Fazer bem feito (mesmo que isso implique experimentar, fazer, desfazer e refazer). Ser criativo e ser leal para consigo, para com o seu trabalho e para com os outros.

Podes partilhar alguns dos teus crafters favoritos?

Ah! Essa é uma pergunta difícil, porque é impossível nomear todos os favoritos (de facto há muita gente talentosa e criativa). Posso dizer que muitos já por aqui passaram :)

Ainda que correndo o risco de deixar muitos de fora, posso dizer gosto imenso dos trabalhos da Maria Madeira (kase-faz), da mistura de materiais associada a uma explosão de cores da Lu (hippyxic), das cabeludas da Isabel (Blog da Bilá), da forma como a Luísa (Jin Sanjo) transforma e reutiliza os materiais em peças únicas e originais (e em particular a generosidade e minúcia com que «me fez» :D), da incontornável Rosa Pomar, da ternura das pregadeiras da Zélia (Crafty Doula), da forma como a Rita (Wooler/Cooler) trabalha as lãs e linhas, das casinhas da Isabel (Rosa e Chocolat), de tudo o que sai das mãos da Joana Mateus (Anjo Custódio) e podia continuar aqui muito mais tempo a nomear muitos mais.

Quais são os teus sonhos para o futuro?

Ter oportunidade de aperfeiçoar técnicas e ter um bocadinho mais de tempo disponível para me dedicar com carinho ao projecto bu&bau.

7 comentários:

isabel f. disse...

A Ana é um doce :))))))))))))
só podiam sair coisas lindas das mãos de uma pessoa tão doce!
um bj enorme Ana, obrigado e parabéns pela entrevista
bjocas

Carolina Bernardo disse...

Peças amorosas mesmo =)

buebau disse...

Muito obrigada Elsa ;)

rita disse...

adorei saber a origem do nome :-)

Ana Maria Johann disse...

Olá Elsa!
Que delícia ler estas entrevistas... sempre é inspirador e faz pensar no trabalho da gente mesma.

Parabéns pelo blog, continua lindo de viver!
Uma beijoka carinhosa recheada de votos de ótima semana!!!
Até bem breve!

Bye, bye!

TrüSka disse...

Identifico-me com o que diz a Ana: Se fosse a minha actividade principal seria uma obrigação e perdia a piada... assim o artesanato é sempre um prazer! : * Parabéns pelo teu trabalho!

maria madeira | antónio rodrigues disse...

Minha querida Ana, já tinha lido a tua entrevista e esqueci-me de a comentar!
A Ana é como a Isabel diz um doce, e das suas mãos saem aquelas carteiras tão bonitas. Eu tenho uma!
Beijo grande!***