domingo, 17 de janeiro de 2010

Oficina do Achado



Nome: Lúcia Amaral
Cidade: Moita do Ribatejo
Blog: oficinadoachado.blogspot.com



Como descreverias o teu trabalho?

Essencialmente como uma viagem à minha infância. Muitas pessoas ao verem os meus jogos relembram-se de momentos felizes da sua infância, o que as leva a querer partilhá-los com os mais novos, não deixando, assim, que os jogos tradicionais se percam.



Como é que tudo começou?

Desde miúda que faço trabalhos manuais. Há quatro ou cinco anos, comecei a brincar com uns restos de madeira que tinha em casa, juntei -lhes a paixão pelos tecidos e, com muitas dicas de familiares, amigos e clientes tudo foi evoluindo até onde estou agora.



Como escolheste o nome do teu projecto?

Eu vivo no campo, num espaço maravilhoso a que, por ter sido uma descoberta, demos o nome de Quinta do Achado. Oficina do Achado por ter nascido na Quinta do Achado e porque para muita gente os meus jogos são um achado, devido à dificuldade de encontrar jogos deste género.



Porquê fazer crafts? O que é que te motiva?

Bem, nunca pensei muito nisso. Em primeiro lugar está a minha realização pessoal. A motivação vem de ver peças totalmente feitas por mim a provocar alegria em miúdos e graúdos.

Os crafts são um trabalho a tempo inteiro? O que ocupa os teus dias?

Não, não são um trabalho a tempo inteiro. Tenho uma empresa com o meu marido, onde tenho que organizar e resolver vários assuntos. Os meus dias são passados na Quinta do Achado entre a oficina, a empresa e a dar uma «mãozinha» aos meus filhos quando eles precisam.



De onde vem a inspiração para os teus trabalhos?

Das brincadeiras dos meus sobrinhos até às sugestões dos clientes. Das brincadeiras da minha infância às coisas fantásticas que se encontram na internet. Enfim, um pouco de todo o lado.

Onde é que encontras os materiais para os teus projectos?

Carpintarias, lojas de tecidos e lojas de artes decorativas.



De todo o processo de produção das tuas peças qual é a parte que mais te agrada?

Bom... é mais fácil dizer qual a parte que menos me agrada : LIXAR! As peças de madeira têm que ser lixadas várias vezes até ao seu acabamento final. Quando lixo fico sempre cheia de pó, daí dizer que é a parte que menos me agrada.

Como é que divulgas o teu trabalho?

Em feiras de artesanato e através do blog.



A internet tem um papel importante na divulgação do teu projecto?

Sim, sem dúvida! Todos sabemos que os nossos dias não seriam os mesmos sem internet. Assim, o nosso trabalho pode chegar mais facilmente a todo o lado.

O que achas da actual moda do artesanato urbano?

Acho interessante pois dá-nos a oportunidade de conhecer trabalhos muito bons, com muita criatividade e muito bem executados.



Que conselho darias a quem ainda anda à procura do seu próprio estilo nos trabalhos manuais?

Como diz o ditado popular: «Quem procura sempre alcança».

Podes partilhar alguns dos teus crafters favoritos?

Em geral, tenho mais peças favoritas do que crafters em si, mas de qualquer modo são tantos que não seria justo mencionar apenas alguns. Por isso, escolho não mencionar nomes.



Quais são os teus sonhos para o futuro?

Continuar a «crescer» fazendo aquilo que gosto.

6 comentários:

FATIMA GUIMARÃES disse...

a d o r e i .....esse jogo da velha......muito criativo...

mulher de gengibre disse...

Gostei muito Lúcia... só falta acrescentar que além da dedicação e ternura que colocas em cada peça, és uma fonte de simpatia e amizade, que continues sempre a "crescer"... bjs :)

Sílvia Nolan disse...

Realmente um regresso à nossa infância. Obrigada por manteres vivas estas nossas memórias.

Calzelunghe disse...

che cose meravigliose fai!!!

Lilian Janine disse...

Que trabalho lindo e amoroso!

Coiococol disse...

adorei o trabalho , não conhecia e fiquei fã :)

bjs